Ex-aluno recebe prêmio nacional por projeto na área de aviação

Aluno, Destaque

O Prof. Dr. Evandro Luis Nohara, da Universidade de Taubaté (UNITAU), foi orientador do ex-aluno Vitor Fernando de Melo Gonçalves, que defendeu seu mestrado em setembro de 2015. O projeto dele, intitulado Materiais Estruturais Atenuadores de Radiação Eletromagnética, foi o segundo colocado do Prêmio Aviação – Conhecimento e Inovação na categoria de monografia, realizado pela Secretaria de Aviação da Presidência da República em parceria com a Escola de Administração Fazendária (Esaf).

A premiação ocorreu no dia 24 de maio, em Brasília, no auditório do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. A entrega contou com a participação de representantes da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), entre outros.

O prêmio tem como objetivo valorizar a pesquisa em aviação civil, estimulando novas práticas e ideias, e é dividido em duas categorias: melhor monografia e iniciativas de inovação. Neste ano, a Secretaria obteve um total de 84 inscritos, de todo o país.

O Prof. Dr. Evandro Luis Nohara contou que o projeto é de enorme utilidade prática. “Pode inibir rádios piratas e eliminar interferências em aeroportos.”

Para o docente, a estrutura oferecida na Universidade é um grande diferencial para que os alunos possam descobrir novos conhecimentos e começarem a elaborar projetos de forma prática. “Os professores tem bons projetos de pesquisa, os laboratórios são bem equipados, os alunos têm acesso a esses recursos”, explicou.

”É muito satisfatório ver o crescimento deles dentro da área, o prêmio vai gerar visibilidade e reconhecimento”, finalizou.

Vitor Fernando de Melo Gonçalves contou que, a princípio, a ideia surgiu com o objetivo de ser útil ao serviço militar, mas o projeto tem diversas aplicações, até mesmo em torres de celular, para diminuir a interferência. “Estamos abertos para possibilidades, o importante é podermos aplicar na prática”, afirmou.

“Se não fosse pela Universidade, eu não teria conseguido. Os laboratórios e equipamentos tornaram o projeto viável”, enalteceu. O ex-aluno está iniciando o doutorado e deseja manter-se nessa linha de pesquisa. “Esse foi só o começo, quero continuar a pesquisa”, finalizou.

Ingra Lombarde
ACOM/UNITAU

*Foto: Arquivo pessoal