Alunos de Licenciatura realizam trabalho de campo em cidades históricas

Aluno, Destaque, Professor

Alunos dos cursos de História, Geografia e Letras da Universidade de Taubaté (UNITAU) participaram, juntamente com professores do Departamento de Ciências Sociais e Letras, de um trabalho de campo realizado do dia 25 ao dia 29 de maio, nas cidades históricas de Minas Gerais, entre elas Congonhas, Ouro Preto e Mariana. Os trabalhos de campo são uma ferramenta para complementar a formação dos alunos, com isso, o objetivo da atividade é aproximar o aluno da realidade que estuda.

A viagem contou com mais de 40 alunos e teve uma programação ampla. A Casa de Ópera de Ouro Preto, o Museu de Congonhas, a Igreja de São Francisco, em Mariana, as palestras e a visita à cidade de Barra Longa (MG) tornaram a atividade uma experiência diversificada para os participantes. Durante alguns pontos, os alunos apresentaram pesquisas realizadas sobre esses lugares.

“A experiência me surpreendeu. O que mais me marcou foi a visita à cidade atingida pelo rompimento da barragem, eu não tinha noção de fato do quanto havia sido afetada. Você lê sobre a história, mas ter a oportunidade de visitar esses lugares é ainda mais marcante”, contou o aluno Kaique Alencar, do 1º semestre de História, em referência ao desastre ambiental que ocorreu na cidade de Mariana em 2015.

A Profa. Dra. Rachel Duarte Abdala, coordenadora do curso de História e responsável pelo trabalho de campo, ressalta que, além da contribuição profissional e acadêmica, trabalhos como esses também influenciam na vida pessoal dos estudantes. “É muito importante, isso permite que eles percebam coisas de si que não perceberiam. Eles voltam realmente transformados.”

O trabalho de campo foi uma atividade interdisciplinar, o que possibilitou a interação dos alunos em prol de um mesmo foco. “Acho importante você conseguir integrar as áreas e entendê-las, complementa muito o conhecimento”, frisa a aluna Marcela Martins de Oliveira, do 4º semestre de História. “Faz toda a diferença você ensinar sobre algo que viu de perto”, finalizou.

Giovanna Madureira
ACOM/UNITAU

Fotos: Acervo Pessoal