Levantamento revela hábitos de leitura de universitários

Aluno, Conhecimento, Cultura, Destaque

Quais são os livros mais emprestados na UNITAU? Quais assuntos são os mais procurados? Qual biblioteca tem o maior acervo? Quais estilos literários os alunos preferem? E como despertar no jovem o gosto pela leitura? Um levantamento realizado pelo Sistema Integrado de Bibliotecas (SIBI) da Universidade em todos os Departamentos revela quais as preferências dos universitários em relação à leitura.

As bibliotecas da Universidade contam com mais de 230 mil títulos, entre livros, jornais, monografias e teses. O Departamento de Ciências Sociais e Letras conta com 19 mil títulos e 37 mil exemplares e é o maior acervo de livros de toda a Instituição. Parte dele é composto pelas obras literárias mais comumente associadas ao hábito da leitura, como, por exemplo, exemplares da literatura nacional e internacional.

Contudo, não são esses os livros mais lidos pelos universitários. A pesquisa mostra que as leituras mais procuradas por eles estão relacionadas às disciplinas cursadas.

De acordo com esse levantamento, em 2015, apenas entre os graduandos, 143 mil empréstimos foram feitos. Os livros mais emprestados têm como tema Anatomia e Direito Processual, que foram retirados 7.846 e 7.300 vezes, respectivamente. As obras mais procuradas nesses assuntos são: “Anatomia humana básica”, “Bioquímica ilustrada” e “Direito Civil Brasileiro: Parte Geral”.

A estudante Maria Clara Santos, do 3º semestre de Odontologia, fala da importância que a biblioteca teve para os seus estudos. “Na época de provas eu aluguei muitos livros de anatomia, livros que eu só achava aqui na Universidade”, comentou.

Para aumentar o interesse pelos livros e pela aprendizagem, o SIBI trabalha em novos projetos. “Para os alunos da EAD (Educação a Distância) nós já implantamos um acervo de livros em uma plataforma online e para os alunos do curso de Ciências Jurídicas nós assinamos uma base de dados específica de tribunais, que tem todos os assuntos da área de Direito já atualizados”, comentou a coordenadora do SIBI, Márcia Maria de Moura Ribeiro.

A coordenadora comentou também sobre a frequência dos estudantes nas bibliotecas. “Com os livros cada vez mais disponíveis na internet, a frequência nas bibliotecas diminuiu um pouco sim, mas isso também é justificado porque agora toda a renovação e reserva que a gente faz é pelo celular e o aluno não precisa mais vir com tanta frequencia para a biblioteca.”

Ela frisa a importância dos alunos frequentarem a biblioteca. “Nós compramos livros físicos pelo menos duas vezes ao ano e temos que incentivar os alunos a lerem, virem à biblioteca e se acostumarem com esse ambiente de estudo e pesquisa”, acrescentou.

*Foto: Leonardo Oliveira /ACOM

Jade Abud
ACOM/UNITAU