Aluna desenvolve projeto de escola montessoriana para crianças e jovens

Conhecimento, Destaque

A aluna do quinto ano do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Taubaté (UNITAU) Juliana Tavares Bonini desenvolveu uma proposta arquitetônica para uma escola montessoriana de educação infantil e fundamental, a “Escola Pátio”, como seu Trabalho de Graduação (TG).

O método Montessori é o resultado de pesquisas feitas pela médica e pedagoga Maria Montessori, no qual enfatiza a autonomia e a liberdade da criança, respeitando o desenvolvimento natural das habilidades físicas, sociais e psicológicas dela, pondo-a como centro da ação, enquanto o professor se torna um acompanhador desse processo e um guia.

“Eu estudei em escola montessoriana e é muito diferente de uma escola tradicional. Na minha pesquisa, eu me aprofundei em como esse método influenciaria na arquitetura”, disse a aluna. “Eu sempre gostei muito de escola e sempre gostei do método montessoriano, então resolvi pesquisar a fundo o que eu já presenciei”, acrescentou a aluna.

O TG de Juliana tem como objetivo projetar uma escola que tenha influência do método montessoriano, fazendo com que crianças, de diversas idades, convivam em grupo e interajam entre si. “Maria Montessori defendia muito isso. Os ambientes, e a escola inteira, tinham de ser sempre como uma minicidade. Ela defendia que a escola deveria ter pátio para a interação das crianças, que as salas realizassem trabalhos juntas, que elas se cruzassem nos corredores”, explicou a estudante.

Para a aluna, um processo importante para a concretização do projeto foi a escolha do orientador, e Juliana escolheu a Profa. Ma. Ediane Nadia Nogueira Paranhos Gomes dos Santos para ajudar nesse projeto. “Ela adorou a ideia porque ela também gosta de escola e ela já tinha orientado outro trabalho, no ano passado, de escola montessoriana”, contou a estudante.

Juliana disse que, ao longo do processo, foi necessário muito estudo sobre o método para unir a idéia montessoriana ao projeto que ela idealizou. “Pensando no conceito, fiz o meu projeto com os móveis baixinhos na sala de Educação Infantil e Fundamental I, um pátio coberto e o outro descoberto para a interação, a utilização de materiais didáticos para as respectivas idades e específicos do método, a realização de atividades no meio da sala, dentro da linha que é desenhada no chão. Também coloquei algumas coisas que eu queria para o meu projeto, como a estrutura metálica. Outra proposta é desenvolver algo sustentável no projeto. Isso desenvolve a liberdade e a autonomia do aluno e isso possibilita a ele crescer”, concluiu a aluna.

A estudante de Arquitetura e Urbanismo da UNITAU está prestes a se formar e pensa na possibilidade de aproveitar o projeto no futuro. “É algo a se pensar. Ele teria de ter algumas mudanças porque há uma série de fatores que contribuem para essa mudança, como a vontade do cliente, o terreno, entre outros, mas seria interessante levar isso a diante”, finalizou Juliana.

 

Caio Tebassi
ACOM/UNITAU

*fotografia: Leonardo Oliveira/UNITAU.