Campanha Natal Solidário arrecada mais de 260 brinquedos e 150 kg de alimentos

Destaque

A campanha solidária de Natal da Universidade de Taubaté (UNITAU) arrecadou 260 brinquedos, 150 kg de alimentos e 65 peças de roupa que serão entregues ao Lar Irmã Amália e ao Projeto Hapet (Associação Projeto Esperança Criança e Família), ambas as instituições de Taubaté. A distribuição aconteceu nesta terça-feira, 20, e foi feita pela Cruz Vermelha de São José dos Campos.

O objetivo da ação, que foi desenvolvida em parceria com a Cruz Vermelha de São José dos Campos e o Lions Club de Taubaté, é proporcionar um Natal mais feliz para crianças.

“Como são crianças de baixa renda, algumas não têm nem a expectativa de ganhar um presente de Natal. Quando essas doações chegarem, as crianças ficarão felizes e vamos conseguir tirar muitos sorrisos, o que é o mais importante”, comentou Marcos Limão, aluno do curso de Direito da UNITAU e vice-presidente da Cruz Vermelha.

Dentro da Universidade, a campanha ganhou força e contou com a colaboração de alunos, de professores e de funcionários. “Poder contribuir para trazer felicidade para uma criança ou para uma família inteira é muito gratificante. Foi a primeira vez que realizamos uma ação dessas, e o resultado foi muito positivo. Com certeza, continuaremos nos próximos anos”, afirmou o Prof. Dr. José Rui Camargo, Reitor da UNITAU.

“Eu acredito que conseguimos desenvolver nas pessoas que participaram desse projeto o espírito do voluntariado, do ser solidário. Isso é muito importante dentro da Instituição, inclusive pelo momento em que vivemos hoje no país, a dificuldade financeira que observamos no Brasil e no mundo. Um momento como esse, em que as pessoas participam de um projeto para tentar levar para o próximo algo melhor, é fundamental na formação e no dia a dia de cada um de nós”, afirmou o Prof. Dr. Mario Celso Peloggia, Pró-reitor de Extensão da UNITAU.

Tine Haukas-Eide Andreassen Lopes, idealizadora do projeto Hapet, conta sobre as expectativas dos participantes do projeto nesse período do ano.

“Eles ficam ansiosos porque sabem que ganharão sapatos, brinquedos. As famílias ficam também esperando, porque as crianças passam um mês nesse período sem vir para o Hapet e, algumas, quase não tem o que comer”, conta a norueguesa. “Muitas vezes os pais não têm como comprar presentes e roupas para as crianças, então, sabendo que eles ganharão aqui, já é um alívio”, acrescenta.

Stéfanie Bernardes
ACOM/UNITAU
Foto: Ariel Marcon