editado-site

Apaixonada pela literatura brasileira, estudante conta experiências na graduação

Destaque, Letras

Muitas pessoas não têm o hábito de pegar um livro em sua estante e desfrutar de uma boa leitura, por esse motivo não acham a literatura atraente. Esse não é o caso da aluna Karen Vitória Galdini de Oliveira, estudante da Universidade de Taubaté (UNITAU), que, por conta de sua paixão por livros, decidiu ingressar no curso de Letras e, atualmente, está no terceiro semestre.

Além de ter gosto por obras brasileiras como Grande sertão: veredas, de Guimarães Rosa, Karen tenta repassar a riqueza dos livros para os estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Juvenal da Costa e Silva, onde é estagiária do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). “Iniciamos um projeto no qual realizamos um livro digital de contos. Nós ensinamos o texto narrativo e quais são os operadores de leitura desse tipo de texto e, aula a aula, fomos construindo o conto com eles. No final, eles juntaram as partes e tinham um conto na forma de um livro digital. As crianças gostaram bastante, houve uma aceitação muito boa, principalmente quando eles viram os projetos prontos, pois eles não imaginaram que iria ficar assim”, conta.

editado-site-2Por meio dos livros, a aluna percebeu que é possível criar o hábito de leitura nas crianças. “Aprendi muito na prática, pois às vezes a gente não pensa como aquilo vai chegar até as crianças e às vezes só explicamos oralmente e isso não é suficiente. É preciso explicar na lousa etapa por etapa. Como docente, será necessário sentar, explicar de novo e adequar a linguagem ao universo dos alunos. Com isso, as crianças se tornam muito receptivas, principalmente quando é algo diferente, como é o Pibid”, afirma.

Por sua dedicação fora e dentro da sala de aula, Karen foi contemplada com a bolsa mérito, benefício concedido aos alunos com notas que se mantêm na média 9. Ela conta que não esperava receber a bolsa e que tudo foi fruto de um bom empenho durante o ano letivo de 2016. “Sinceramente, eu não esperava. Acho que foi por conta de eu me esforçar nas disciplinas de forma igual. Sempre me dediquei tanto nas matérias de que gosto, quanto naquelas em que não tenho muita facilidade”, destaca.

Para finalizar, Karen enfatiza o que é necessário para ingressar nesta área. “O Curso de Letras tem várias nuances. Não é sinônimo de gramática, a língua tem vários aspectos e eles estão muito presentes na vida. Minha dica é: leia bastante, diversos gêneros de leitura. Eu gosto muito de literatura, muitas vezes os alunos falam que é chato, não é interessante, mas acho que importante é o modo que você aborda. É uma questão de estímulo”, finaliza.

*(Foto: Giovanna Madureira/ ACOM) 

Lucas Azevedo

ACOM/UNITAU