Ação do curso de Medicina ajuda idosos na prevenção de doenças

Acontece, Aluno, Comunidade, Destaque, Medicina, Saúde

Os estudantes do curso de Medicina da Universidade de Taubaté (UNITAU) concluíram, na segunda-feira, 19, mais uma etapa do mutirão que tem sido realizado no mês de março. Dessa vez, as Ligas de Nutrologia, de Geriatria, de Otorrinolaringologia, de Neurologia e de Nefrologia foram as responsáveis pelos atendimentos.

A ação, que tem como objetivo principal a prevenção de doenças e a melhoria da qualidade de vida, aconteceu no Campus Bom Conselho e atendeu os idosos do Programa de Atenção Integral ao Envelhecimento (PAIE). Os alunos ficaram à disposição de todos e fizeram um check-up de avaliação da alimentação, do estado mental, dos rins, da surdez e da hipertensão arterial do público.

O Departamento Científico Benedicto Montenegro (DCBM) organiza os mutirões, entrando em contato com os locais, e as Ligas decidem a ação a ser executada de acordo com a demanda. “Nós reunimos cinco Ligas para atuar no PAIE e cada uma ficou responsável por uma chave. O intuito maior era a prevenção e a orientação, caso o idoso já apresentasse a doença ou tivesse ocorrência na família”, explica Beatriz de Almeida, presidente da Liga de Nutrologia e estudante do 3° período de Medicina.

A partir dessas atividades, os alunos podem praticar todo o conhecimento obtido nas aulas, como relata a estudante do 5° período Isabella Queiroz, membro da Liga de Otorrinolaringologia. “É enriquecedor. Fora a parte teórica de fazer a anamnese e conversar com o idoso, tem a parte prática de examinar os ouvidos, e, assim, podemos desenvolver o aprendizado”, conta Isabella.

Para os futuros médicos, as ações trazem grandes ensinamentos, mas eles não são os únicos beneficiados. Ana Maria Rabello, integrante do PAIE, teve uma ótima experiência e resultados satisfatórios. “A pressão está boa, o estado mental também, eu lembrei de muitas coisas, fiz tudo certinho e não encontrei nenhuma doença no rim. Emagreci um pouco, mas deve ser o calor, não é?”, pondera.

 

Marina Lima

ACOM/UNITAU

 

Foto: Leonardo Oliveira