Da sala de aula para a tela da TV Vanguarda

Acontece, Comunicação, Destaque, Ex-aluno

Às 14h, pontualmente, Michelle Sampaio chega à recepção da TV Vanguarda de São José dos Campos. Adorável como a Raquel, ela exibe o sorriso famoso que estamos acostumados a ver nos telejornais. E a simpatia transpassa as telas: no caminho da entrada ao estúdio, Michelle faz diversas pausas para cumprimentar, com muito carinho, cada um de seus companheiros de trabalho.

Chegando à bancada dos jornais da Rede Vanguarda, a jornalista, natural de Guaratinguetá, volta no tempo e lembra que a escolha profissional não foi tarefa fácil. “Eu nunca tive na cabeça que ia fazer jornalismo, assim como não tinha uma profissão em mente. Antes de entrar na faculdade, eu perdi minha irmã caçula. Na época, ela tinha 15 anos e eu tinha 17, eu estava prestando vestibular, então fiquei muito confusa”. Após o acidente, a família, que até então morava em Curitiba, voltou para a região, e Michelle decidiu morar com os pais durante a faculdade, mesmo que ainda não tivesse certeza sobre qual carreira seguir. “Eu entrei em Direito, mas não gostei e saí. Depois, fiz um ano de Educação Física, mas também não gostei, não era para mim”, conta.

A repórter, que também é coach em comunicação, reconhece que sempre teve afinidade com a área de humanas e até cogitou prestar vestibular para Publicidade e Propaganda. Entretanto, seu destino estava mesmo atrelado ao Jornalismo. Após conhecer uma jornalista, resolveu apostar na profissão.

Apaixonar-se pelo curso fez com que Michelle se dedicasse totalmente, “pode perguntar para os professores”, brinca. O corpo docente e os amigos transformaram a faculdade em um “período maravilhoso”, como ela descreve. “Tenho uma ótima recordação de todos os professores. No Departamento de Comunicação, eles deixam um canal aberto com os alunos, e isso é muito bom”, ressalta.

portal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Trabalho de Graduação (TG) não foi obstáculo para conquistar o tão esperado diploma. O tema escolhido foi turismo rural, retratado em uma grande reportagem, e, apesar da tensão de apresentar à banca, o resultado foi satisfatório. “Consegui fechar com nota máxima, tive o reconhecimento dos professores”, relembra.

Depois de formada, era hora de buscar o que sonhava durante o curso: chegar a uma grande emissora. “O fato de estar na Vanguarda é um sonho realizado. Eu queria trabalhar em um grande veículo de comunicação e seguir tudo que aprendemos na Universidade a respeito de ser ético e transparente. Eu prezava muito por isso e consegui realizar um pouco desses sonhos que nasceram junto com o curso”, diz com orgulho.

Contudo, para chegar lá, a repórter trilhou um caminho de experiências. Seu primeiro contato com o mercado aconteceu na antiga TV Setorial, atual TV Novo Tempo, quando recebeu um convite para participar de um programa da emissora. No início, Michelle fazia reportagens de rua, mas logo foi convidada a apresentar o jornal da TV, descobrindo, assim, sua paixão pelo telejornalismo. “Gostei muito de entrar nesse mercado e vi que era a área que eu queria. Eu poderia ser editora, apresentadora, repórter… Gostava de todas as funções”. Após a descoberta, aplicar-se foi a chave para alcançar o sonho. “Eu participava muito e acho que isso me ajudou a ser uma profissional melhor. Quando você se dedica e se envolve, você conquista mais as coisas e consegue dar passos maiores”.

Este ano, Michelle Sampaio comemorou seu décimo quinto ano na TV Vanguarda e tem fresca na memória a história de sua contratação. “Assim que me formei, fui para a Nova Zelândia e fiquei quatro meses lá. Quando retornei, meus pais disseram que a Vanguarda havia me procurado e queria meu currículo. Na época, era uma fita VHS”, ela ri, “juntei meu material na fita, entreguei, eles me chamaram para fazer alguns testes, eu passei e fiquei”.

Hoje, a jornalista é um dos rostos mais conhecidos da televisão regional e, apesar de demonstrar confiança no que faz, comenta que o nervosismo faz parte. Ela lembra algumas dificuldades que teve no início e aconselha: “Se deu errado, vai para casa, chora, dorme e depois tenta de novo”, finaliza.

Marina Lima

ACOM/UNITAU

Fotos: Leonardo Oliveira e Pâmela Daziella