Alunas de Fisioterapia produzem trabalho que utiliza smartphones para avaliar tratamentos faciais

Acadêmico, Acontece, Aluno, Conhecimento, Destaque, Fisioterapia, Trabalho de Graduação

A produção do Trabalho de Graduação (TG) é fundamental para a carreira acadêmica de qualquer aluno. Para Thyciane França Pinheiro e Bruna Araujo da Luz Camargo, do curso de Fisioterapia da Universidade de Taubaté (UNITAU), isso não foi diferente.

As duas produziram um trabalho que avalia a simetria da face de pacientes antes de depois de tratamentos clínicos. O processo utilizou smartphones que fotografaram 16 vezes 102 pessoas que passavam por procedimentos fisioterapêuticos. “Foi bastante trabalhoso, porque é um trabalho muito grande, que envolveu diversas metodologias, muitos indivíduos”, explica Bruna. “Ao todo, nós fizemos uma análise grande, com um total de 4284 ângulos de fotos analisados”, completa Thyciane.

Com as imagens em mãos, as alunas puderam dar o feedback aos pacientes, se o tratamento que faziam estava sendo eficaz e apresentava melhoras, ou se precisava ser alterado para atingir um resultado satisfatório.

Orientadas pela Profa. Dra. Karla Rodrigues Cavalcante, as agora fisioterapeutas destacam a importância de ter a docente ao lado durante a produção do TG. “Sem a ajuda dela, nos não teríamos conseguido e, em todos os momentos, acreditou na gente e confiou que éramos capazes de atingir o objetivo do trabalho”, conta Bruna.

A apresentação do projeto à banca, que foi composta pelas Profa. Dra. Alex Sandra Oliveira de Cerqueira Soares e Profa. Ma. Nadiely da Silva Barros Diniz, foi um sucesso e, para Thyciane, o nervosismo foi tranquilo de administrar. “Embora tenha ficado com um pouquinho de medo no começo, ao longo da apresentação fui ganhando confiança e, no final, deu tudo certo”.

Agora formadas, as alunas têm a missão de emplacar a pesquisa e torná-la viável para utilização em tratamentos para a população em geral. “A gente espera ter contribuído de forma positiva para as pessoas. Que esse método possa ser validado e cada vez mais utilizado na prática clínica por diferentes profissionais”, finaliza Thyciane.

Felipe Rodrigues

ACOM/UNITAU

 

Foto: Felipe Rodrigues / ACOM