Como manter uma boa alimentação em casa e na escola

Comunidade, Conhecimento, Destaque, Nutrição, Saúde

A alimentação saudável é um desafio da atualidade. São muitas as opções de comidas rápidas e fáceis, que somadas à falta de tempo, fazem com que, muitas vezes, as refeições nem sempre sejam as mais saudáveis.

E isso reflete diretamente na saúde: de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de jovens obesos entre cinco e 19 anos aumentou mais dez vezes nas últimas quatro décadas, passando de 11 milhões, em 1975, para 124 milhões, em 2016.

Manter hábitos saudáveis não precisa ser um bicho de sete cabeças. Confira algumas dicas para trazer mais saúde à sua alimentação.

Evitar alimentos processados e ultraprocessados

Refrigerantes, salgadinhos, produtos congelados ou em conserva são os grandes vilões da má alimentação, porque contêm adição de açúcar, sal e outros componentes para torná-los mais atrativos e duráveis. “Garantir o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados é essencial”, orienta a Profa. Dra. Fabíola Nejar, do curso de Nutrição da Universidade de Taubaté (UNITAU).

Consumir variados grupos alimentícios

Sabe aquela história de quanto mais colorido o prato, melhor? “Nas refeições, vale a pena ter pelo menos um alimento do grupo das frutas, ou verduras e legumes”, recomenda a nutricionista.

O Guia Alimentar para a População Brasileira divide os alimentos são divididos em oito grupos: cereais, tubérculos, leguminosas secas, leites e derivados, carnes e ovos, verduras e legumes, frutas e oleaginosas. Que tal explorar um pouco mais os sabores?

Atenção na hora de comprar

O local onde os produtos serão comprados é tão importante quanto o que será comprado. “Ir à feira é uma boa alternativa. Lá encontramos os alimentos da época com preço justo”, afirma.

Família unida, transformação garantida!

Para que a reeducação alimentar tenha sucesso, é importante que a mudança aconteça com participação da família. Para isso, a nutricionista indica planejamento, programação e persistência. “Uma ideia é resgatar receitas de família para preparo e consumo coletivo”, comenta a Profa. Fabíola.

 

Marina Lima

ACOM/UNITAU

Foto: Acervo/UNITAU