Aprender brincando: a importância de jogos no desenvolvimento infantil

Comunidade, Destaque, Educação, Pedagogia

Brincadeiras de criança não são apenas um passatempo. Pesquisas indicam que atividades lúdicas fazem parte do desenvolvimento cognitivo, psicológico e psicomotor delas, desde que incentivadas de maneira correta por pais e professores.

A Profa. Dra. Maria Teresa de Moura Ribeiro, do Departamento de Pedagogia da Universidade de Taubaté (UNITAU), traz algumas dicas para que a criança aprenda brincando.

Brincadeiras de faz de conta

Por não ter linguagem verbal suficiente para expressar sentimentos e dúvidas, a criança pode usar uma maneira alternativa para lidar com diversas situações sociais. “Uma régua pode virar um avião, uma caixinha pode virar um celular. Com esse jogo, ela interpreta a realidade, é a linguagem que a criança utiliza para compreender o mundo, para entender os porquês do mundo”, explica a professora.

Jogos com regras

Neste tipo de atividade, a criança precisa do consentimento do outro para jogar. “É combinado que os participantes seguirão as mesmas regras. Essas brincadeiras acompanham as crianças em todos os momentos, inclusive na escola. Poder brincar garante a elas um desenvolvimento mais saudável”.

Jogos de repetição

“A escola propõe o estudo pela repetição, mas, diferentemente do jogo de exercício, essa repetição não está associada ao prazer”, ressalta a especialista. “É preciso encontrar maneiras de trabalhar a repetição, que faz parte do processo de aprender da criança, mas associando a coisas prazerosas, para que faça sentido e ela goste de fazer”.

Atenção aos brinquedos oferecidos

“A gente tem que tomar alguns cuidados: não devemos oferecer para bebês e crianças pequenas nenhum brinquedo que solte peças ou que tenha peças menores que a largura do pulso, para que não haja perigo de a criança engolir”. Além disso, é importante estar atento à qualidade dos brinquedos, para que esses não prejudiquem o momento de brincadeira.

Interação

“Só o fato de os pais destinarem um tempo para brincar com a criança já é muito prazeroso”, pontua a professora. Mesmo com materiais simples, é possível proporcionar brincadeiras que auxiliam no desenvolvimento. “É legal que os pais entrem nessa brincadeira, para que a criança sinta que aquele tempo é para ela. O importante é a interação, porque garante desenvolvimento social, como aprender a ganhar e perder.”

Marina Lima

ACOM/UNITAU