Empresa júnior: hora de colocar o aprendizado em prática

Acadêmico, Agronomia, Arquitetura, Conhecimento, Engenharia

Cursar uma universidade é um dos caminhos para ingressar na vida profissional. Durante a graduação, o estudante participa de palestras, realiza visitas e conhece profissionais do mercado. Uma das iniciativas que coloca o aprendizado em prática é a Empresa Junior.

O que é uma empresa júnior?

É uma organização sem fins lucrativos, formada exclusivamente por alunos, com o objetivo de criar projetos para aprimorar do aprendizado em sala de aula. Como uma empresa real, os alunos desempenham funções de chefia, negócios, comunicação, entre outras. Na Universidade de Taubaté (UNITAU), três Departamentos têm Empresa Junior.

A Agrotau Jr., do Departamento de Ciências Agrárias, está na ativa desde abril de 2013. “A empresa é muito importante, pois o aluno tem condições de participar efetivamente na aplicação do aprendizado de sala de aula em atividades que vão requerer esse conhecimento com o apoio do corpo docente”, comenta o Prof. Me. Carlos Moure Cícero, coordenador do Departamento.

No momento, seis alunos atuam na empresa e já realizaram projetos como: produções de muda, jardinagens e paisagismo, implantação e recuperação de pomares e hortas, além de cursos para estudantes. “Ao mesmo tempo em que proporciona contato com a comunidade agropecuária da região, realiza a extensão de seus conhecimentos, que estão inteiramente ligados à sua formação profissional”, complementa.

No ano de 2017, foi fundada a Atrium, empresa Júnior do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UNITAU. “A Empresa Júnior possibilita esse link, por meio do qual, além de colocarmos os conhecimentos em ação, podemos aprender ainda mais com as trocas de experiência com professores e alunos de diversos períodos da universidade”, conta Luiza Barreto, diretora de projetos da Atrium.

Em fevereiro de 2017, a Equipe! Jr – Soluções em Engenharia do Campus da Juta iniciou as atividades. Em dois anos, 21 alunos passaram pela empresa e, hoje, sete alunos participam dos projetos.

Os estudantes já executaram projetos fotovoltaicos por meio de painéis que convertem luz solar em energia para a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPG), além de projetos de iluminação para o estacionamento da Juta. O aluno Pedro Fernandes é o diretor comercial da equipe e, para ele, a experiência é um auxílio no seu aprendizado.

“A empresa júnior tem autonomia e, com isso, pode conseguir parcerias, patrocínios e trabalhos colaborativos com empresas e indústrias da região que geram benefícios para os alunos da universidade. Esses dois anos, com certeza, contribuíram muito para o meu desenvolvimento pessoal e para a minha formação profissional”, encerra.

Nathália Sobral

ACOM/UNITAU